Comportamento

Escapando da prisão dos medos.

Hoje sento aqui, em frente ao meu computador, para falar sobre um assunto que, especialmente, essa semana me tirou do eixo do equilíbrio…aquele controle psicológico que já conversamos em outro texto, lembra? Tão importante para nossa saúde e que, por causa de tantas inseguranças, pessoas nocivas e problemas externos, o perdemos num piscar dos olhos. Precisa vir e conversar com vocês, porque da mesma forma que fiquei confusa, muita gente pode estar passando por isso e quem sabe, podemos nos ajudar.

Muitas vezes na vida, somos postos em ambientes e situações que, nem sempre, nos são confortáveis ou seguros. Nosso “chão” metafórico é muito frágil e qualquer novo desafio, que abale nossa zona de conforto, causa certo medo. Eu sei, passo por isso sempre. Mas assim, vejo que em grande parte, tenho muita responsabilidade sobre o problema, já que várias vezes eu apenas reclamo sobre ele e, já adianto, isso não ajuda em nada.

A insegurança ou receio de não dar conta, não ser o suficiente ou até mesmo de não conseguir se adaptar a novidade, é um lance que precisa ser diariamente trabalhado em nosso interior. Sim, vão haver obrigações, pessoas, sistemas e habilidades…nas quais, iremos travar e talvez, não conseguir fazer. De primeira. De segunda, a vai, até de terceira e quarta vezes. Insista.

A grande sacada é não entregar os pontos. Lembrar o quanto você é único e possui habilidades, gostos, atividades, gingados…atributos singulares que o torna alguém fora da matrix. Uma nova rotina ou novas exigências – do trabalho, da vida, da faculdade, do vestibular- assusta. Paralisa. Incomoda. Afinal, sair da zona de conforto é incômodo. é desafiador. é, na maior parte do tempo, incerto. probabilístico. tentativa e erro e sim, é complicado acreditar que algum resultado positivo vai acontecer. Acontece que, de fato, as grandes pessoas ( que vocês admiram, se inspiram…) não pararam quando o novo bateu a suas portas. Não desistiram por medo de fracassar.

Nessa semana, descobri que duvidar de si mesmo é a pior coisa que podemos fazer. Você consigo mesmo é a melhor equipe, não se sabote. Não seja tão duro com você, porque a vida já vai ser e, bem, sabendo disso, se proteja dos outros e das suas neuras internas. Elas nos machucam e não nos projetam para lugar nenhum, pelo contrário, servem apenas para legitimar nossos medos e nos estagnar no mesmo ponto da infelicidade e comodismo.

Não desejo uma vida pautada em medos e planos de fundo cinzentos para você ou para mim. Quero que nossos receios nos motive a crescer, aprender, inovar…sair da caixinha!! Que nossa zona de conforto seja abalada constantemente e que aos poucos, nos acostumemos com os tremores pois eles já não nos assustarão, mas sim, servirão de estímulo para vivermos aquilo que nos traga alegria, amor e frios na barriga de primeiras vezes. Porque viver é um universo de possibilidades e, nenhuma prisão é capaz de conter nossos sonhos.

Sou a Karen Letícia e, sim, Coral não tem ligação com meu nome! Desde 2013 tenho este blog para dividir meus pensamentos com vocês e tentar mostrar que a vida é um universo de possibilidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pular para a barra de ferramentas