• Faculdade

    1/12 de um sonho concluídos

    Eu ainda não acredito que um semestre se passou e com ele, meu primeiro período de Medicina também. Foram tantas lutas para alcançar minha vaga, que ter concluído essa etapa de 12, concretiza tudo. Pois é, eu passei mesmo e daqui para frente, novos desafios estão por vir – e olha que nesse curso o que mais tem é desafio e superação – antes, durante e depois. Decidi fazer um apanhado geral de como foi organizado esse semestre, como funciona na minha faculdade e por fim, o que eu achei até aqui do curso, da metodologia ativa… se gostarem, posso ficar fazendo posts mais específicos! ( é só pedir!)

    PRIMEIRAS SEMANAS

    Hoje em dia, está bem em alta na mídia dos studygrams explicações sobre a metodologia PBL – que basicamente, consiste no ensino e aprendizado mais autônomo do estudante, retirando do professor o papel de conduzir o aprendizado nas salas de aula, cuja função agora se torna apenas auxiliar a obtenção desse conhecimento base, por meio de aulas reduzidas, invertidas e até virtuais. A ideia é que o aluno, por meio de casos clínicos semanais, tenha as ferramentas necessárias e com auxílio de um mentor, seja capaz de buscar seu próprio saber.

    Nas primeiras semanas, minha faculdade tem a tradição de organizar uma “semana do calouro” que tenta instruir o aluno sobre a rotina, aspectos humanos, apresentação da equipe docente e pedagógica e ainda, conta com diversas palestras sobre temas que convergem com a própria Medicina. Mas devo alertar que a realidade da rotina e a metodologia do curso a gente só descobre e entende mesmo na pele – vivenciando dia após dia, lidando com nossos erros e dificuldades e claro, nos motivando com nossos triunfos diários.

    PBL E AS MONITORIAS

    As aulas com professores se tornaram conferências semanais rotativas. Os horários da nossa grade , assim, são compensados pelas monitorias. Você vai ouvir muito falar disso, futuro aluno rs. Uns amam, outros nem tanto. Confesso que inicialmente eu também não gostei – porque eu ainda estava integrada no método tradicional (professor-aluno) , mas tudo é questão de se permitir adaptar-se, e aos poucos, você vai notar muitos benefícios desse arranjo. As monitorias são grupos formados pelos alunos – que passam por processos seletivos e de preparação, para estarem aptos a nos guiar e apresentar conteúdos, assim como tirar nossas dúvidas!

    Sem dúvidas, meus monitores foram parte fundamental para que eu sobrevivesse ao dia a dia da faculdade e soubesse lidar melhor com os novos conteúdos e livros para estudar. Por serem alunos como eu, só que de semestres acima, a gente se sente mais acolhido e até mesmo assuntos difíceis ganham outra conotação pois são transmitidos por pessoas que como nós, também tiveram dificuldade de aprender – e não tentam esconder isso – e conseguiram e hoje nos ajudam a estudar!

    MATÉRIAS E PREFERÊNCIAS

    Nesse período eu tive no total de cinco matérias : Biomorfo I ( dividido em três componentes – macro, micro e tutoria); Primeiros socorros; Saúde Coletiva I; Metodologia Instrumental; Saúde Mental. Como puderam ver, algumas dessas matérias ainda irão me acompanhar pois graduadas em I, II…outras, no entanto, são específicas desse período.

    Dentre elas, temos duas bem diferentonas e que de maneiras distintas, porém importantes, marcaram minha vida- saúde mental e primeiros socorros. Vamos por partes…Saúde mental se explica por si só não é mesmo? rs Medicina é um curso integral e bastante intenso. Além do montante de conteúdos e habilidades requeridos, a cobrança de excelência começa desde a graduação. Por essa razão, minha faculdade adicionou a grade curricular, sendo componente obrigatório do primeiro semestre, com intuito de nos mostrar, desde o início, que é sim possível cuidar de nós, antes de aprender a cuidar do outro. Nela, tivemos 4 módulos – meditação, arte, literatura e música, com profissionais de cada uma das áreas e que, a cada semana, nos faziam relaxar, sorrir e conhecer mais de nós mesmos. Foi muito importante e necessário.

    Já Primeiros Socorros foi um misto de amor e choro. Taí uma matéria que te modifica – para melhor – a cada semana. Vou te falar, é literalmente, uma superação atrás de superação. Você começa os treinamentos achando que nunca vai dar conta de atender o paciente em um tempo delimitado, e passadas as simulações e longos treinos e estudos, você não só consegue atender o famoso “XABCDE” ( atendimento inicial a vítimas de trauma , que segue uma ordem de prioridade de ações e condutas) como também realiza um parto de emergência! É extremamente gratificante observar minha evolução não só em termos de nota, mas principalmente como pessoa.

    PS – para os íntimos rs – é uma lição de vida. O medo inicial até de atrapalha nas primeiras situações -teste mas depois, é ele que te impulsiona a superar suas próprias limitações e inseguranças. Você aprende com as aulas, a rotina de treinos e com as experiências dos monitores e aspiras, que nada é impossível, e mais, você é capaz de fazer tudo, basta correr atrás e se dedicar. A matéria te faz ganhar resistência física e emocional, além de te conceder uma prévia do que a Medicina irá exigir. Sou extremamente grata.

    As matérias básicas como anatomia, matéria que todo estudante de Medicina comenta a respeito, vocês já estão cansados de saber né? foi super interessante e desafiador de estudar – gente, são MUITOS nomes para gravar em pouco tempo!!!! Te adianto que se você olhar bem, no nosso antebraço existem quinhentos mil músculos…rsrs!

    O que posso comentar é que de fato, estudar o corpo humano por meio do corpo humano – propriamente dito – é sensacional e gratificante. Por vezes, senti algum desconforto quando a “peça cadavélica” era mais conservada, mas ainda sim, é bem possível aprender e não esquecer que aquela vida significou muito para alguém/s e que agora, significa muito para mim.

    ESTUDOS E PLANEJAMENTO

    Esse tópico é ainda desconhecido para mim! Cada semana eu tentava encontrar um meio de estudar que mais se encaixasse com meu jeito de aprender e que fosse produtivo porque tempo é algo que você não tem! Quer dizer…você até tem, mas como são muitos assuntos acaba que se não se organizar, ele é perdido facilmente. Por isso, ano que vem vou buscar ferramentas que otimizem meu tempo de estudo e tornem mais tranquilo gerenciar os conteúdos! Aos poucos vou dividindo com vocês como estará sendo, certo?

    Até o próximo post!

  • Comportamento

    Escapando da prisão dos medos.

    Hoje sento aqui, em frente ao meu computador, para falar sobre um assunto que, especialmente, essa semana me tirou do eixo do equilíbrio…aquele controle psicológico que já conversamos em outro texto, lembra? Tão importante para nossa saúde e que, por causa de tantas inseguranças, pessoas nocivas e problemas externos, o perdemos num piscar dos olhos. Precisa vir e conversar com vocês, porque da mesma forma que fiquei confusa, muita gente pode estar passando por isso e quem sabe, podemos nos ajudar.

    Muitas vezes na vida, somos postos em ambientes e situações que, nem sempre, nos são confortáveis ou seguros. Nosso “chão” metafórico é muito frágil e qualquer novo desafio, que abale nossa zona de conforto, causa certo medo. Eu sei, passo por isso sempre. Mas assim, vejo que em grande parte, tenho muita responsabilidade sobre o problema, já que várias vezes eu apenas reclamo sobre ele e, já adianto, isso não ajuda em nada.

    A insegurança ou receio de não dar conta, não ser o suficiente ou até mesmo de não conseguir se adaptar a novidade, é um lance que precisa ser diariamente trabalhado em nosso interior. Sim, vão haver obrigações, pessoas, sistemas e habilidades…nas quais, iremos travar e talvez, não conseguir fazer. De primeira. De segunda, a vai, até de terceira e quarta vezes. Insista.

    A grande sacada é não entregar os pontos. Lembrar o quanto você é único e possui habilidades, gostos, atividades, gingados…atributos singulares que o torna alguém fora da matrix. Uma nova rotina ou novas exigências – do trabalho, da vida, da faculdade, do vestibular- assusta. Paralisa. Incomoda. Afinal, sair da zona de conforto é incômodo. é desafiador. é, na maior parte do tempo, incerto. probabilístico. tentativa e erro e sim, é complicado acreditar que algum resultado positivo vai acontecer. Acontece que, de fato, as grandes pessoas ( que vocês admiram, se inspiram…) não pararam quando o novo bateu a suas portas. Não desistiram por medo de fracassar.

    Nessa semana, descobri que duvidar de si mesmo é a pior coisa que podemos fazer. Você consigo mesmo é a melhor equipe, não se sabote. Não seja tão duro com você, porque a vida já vai ser e, bem, sabendo disso, se proteja dos outros e das suas neuras internas. Elas nos machucam e não nos projetam para lugar nenhum, pelo contrário, servem apenas para legitimar nossos medos e nos estagnar no mesmo ponto da infelicidade e comodismo.

    Não desejo uma vida pautada em medos e planos de fundo cinzentos para você ou para mim. Quero que nossos receios nos motive a crescer, aprender, inovar…sair da caixinha!! Que nossa zona de conforto seja abalada constantemente e que aos poucos, nos acostumemos com os tremores pois eles já não nos assustarão, mas sim, servirão de estímulo para vivermos aquilo que nos traga alegria, amor e frios na barriga de primeiras vezes. Porque viver é um universo de possibilidades e, nenhuma prisão é capaz de conter nossos sonhos.